Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024
Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024

SIGA-NOS:

Aumento das reservas nos hotéis pode acontecer muito depois do fim dos Jogos Olímpicos

Os Jogos Olímpicos de Verão de 2020 em Tóquio originalmente visavam mostrar a força cultural e económica do Japão ao mundo, mas o atraso de um ano provocado pela pandemia da COVID-19 e as restrições do evento diminuíram drasticamente esse foco.

Apesar da ação desportiva ter sido admirável e elogiada pela sua organização, as coisas não estão a correr assim tão bem fora da aldeia dos atletas e dos locais das provas.

Koji Takabayashi, diretor administrativo da consultora de negócios Horwath HTL no Japão, disse que os Jogos Olímpicos de Tóquio estão a ser realizados num ambiente sem precedentes com inúmeras restrições, sem espectadores autorizados para os Jogos e que o Japão está a ser atingido pela sua pior vaga de COVID-19 até agora.

A última fase da pandemia levou o governo do Japão a declarar estado de emergência com previsão para terminar em agosto. O Japan Times informou que o país ultrapassou os 10.000 casos positivos a 29 de julho, a primeira vez que os casos entraram em cinco dígitos desde o início da pandemia.

Em plena crise, os hotéis de Tóquio estão a lutar durante um evento que normalmente teria grande afluência. Parte do problema deve-se ao facto de não haver multidões de espectadores que se juntavam antes do começo dos Jogos Olímpicos.

“A taxa de ocupação da maioria dos hotéis em Tóquio ainda está abaixo dos 50%, mesmo durante os Jogos Olímpicos, devido à grande quantidade de novos quartos na cidade, bem como [ao aumento da gravidade da pandemia]”, disse Takabayashi.

“Neste ambiente de dificuldades, mesmo durante os Jogos, enquanto a procura por alojamento será reduzida ao segmento doméstico pelos próximos dois anos, projetamos que o ambiente de mercado terá uma recuperação sólida”, referiu o diretor administrativo da consultoria de negócios Horwath HTL.

Ayako Sasaki, proprietário da consultora de negócios Alma Hospitality e ex-diretor executivo de gestão de ativos hoteleiros da Japan Hotel REIT Investment Corp., disse que houve um impacto positivo para um número limitado de hotéis, principalmente aqueles que hospedam atletas, funcionários e media.

“Não vejo nenhum impacto positivo significativo em geral da procura doméstica de lazer japonesa por hotéis, pois nenhum espectador é permitido na maioria dos jogos [e] estádios devido à pandemia, exceto [aqueles desportos realizados] em áreas rurais. Quanto ao sentimento do investidor, vejo que o facto de Tóquio estar a ser mostrada sob boa luz é realmente positivo. Espero que isso provavelmente contribua e, em seguida, acelere ainda mais a recuperação futura da procura hoteleira”, disse Ayako Sasaki.

No período pré-pandemia os mercados hoteleiros nas cidades-sede olímpicas prosperaram.

Durante o período de competição de duas semanas, os hotéis de Pequim e Rio de Janeiro registaram um aumento superior a 400% na receita por quarto disponível numa média contínua de sete dias quando essas cidades sediaram as Olimpíadas em 2008 e 2016, respectivamente, de acordo com dados da STR.

Os hotéis do Rio de Janeiro registaram um aumento de 199,2% no preço médio, um aumento de 26,6% na ocupação e um aumento de 278,6% na RevPAR em agosto de 2016, mês das suas Olimpíadas, enquanto 1,7 milhões de turistas chegaram durante as duas semanas da ação desportiva.

Londres, com uma base de desempenho muito maior historicamente, mostrou um aumento de 80% na RevPAR quando a cidade sediou as Olimpíadas em 2012.

Takabayashi acrescentou que a recuperação de Tóquio depende inicialmente da implantação de um programa de vacinação, que só agora está a começar a ganhar força, e da renovação de uma série de iniciativas governamentais para incentivar os gastos com viagens domésticas, que foram suspensas desde dezembro do ano passado.

Referindo ainda que o governo está a ser cauteloso na sua tentativa de impulsionar a economia e, ao mesmo tempo, garantir a segurança pública. Agora está implementando iniciativas para quando a pandemia acabar, como a Agência de Turismo do Japão, alocando 1,85 mil milhões em promoções estratégicas de marketing para incentivar o turismo internacional de entrada.

“Supondo que estes apoios governamentais funcionem para apoiar a indústria durante o período de recuperação, projetamos que a procura geral de alojamento volte e a ocupação do mercado volte ao nível de 2019 até 2025”, afirmou Takabayashi.

Devido à imunização em massa esperada no Japão e aos principais mercados de origem até 2022, a ocupação começará a ser recuperada a partir de 2023.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img