Quarta-feira, Agosto 10, 2022
Quarta-feira, Agosto 10, 2022

SIGA-NOS:

Barcelona é a cidade mais atraente para investimento hoteleiro da Europa. E Lisboa?

Barcelona lidera o ranking das 15 cidades europeias mais interessantes para investir, de acordo com o “Hotel Investor Beat”, um relatório elaborado pela Cushman & Wakefield no qual participaram mais de 50 grandes investidores, que adquiriram 664 hotéis por um valor de 26.000 milhões de euros, o que representa um quarto do volume de transações hoteleiras na Europa nos últimos cinco anos.

De acordo com o relatório, o Top 5 dos destinos urbanos para investimento é completado por Londres, Paris, Amesterdão e Munique.

Com o nono lugar, Lisboa surge no Top 10, a seguir a Berlim, Madrid e Roma, e à frente da capital irlandesa Dublin (10º lugar).

Segundo a pesquisa do Hotel Investor Beat, 40% dos entrevistados pretende comprar mais imóveis depois da pandemia, enquanto 29% planeia continuar sua atividade de investimento como antes da pandemia e apenas 21% planeia reduzir sua atividade de aquisição de hotéis.

Quantos aos preços, 38% dos investidores europeus espera cortes de preços de 10 a 15%, enquanto 21% espera que a redução de preço fiquem entre 15 e 20%.

70% dos entrevistados considera que os resorts são um ativo mais interessante agora do que antes da Covid-19. A explicação para esta tendência pode ser explicada com o facto da recuperação do segmento de férias e lazer estar a ser mais rápida e as perspetivas de crescimento a longo prazo são positivas, defende a consultora. Os apartamentos turísticos com serviços também se tornaram mais atraentes. 60% dos investidores entrevistados avalia positivamente a resiliência desses ativos durante a pandemia e a flexibilidade que oferecem para mudar para o setor de arrendamento a médio e longo prazo.

Diferente é a situação dos ativos hoteleiros focados em MICE e os localizados nos aeroportos. Nestes dois casos, a sua atratividade sofreu uma redução de 77% e 76%, respectivamente.

Questionados sobre a classe de hotéis mais interessante para investir por tipo de preço, o relatório Cushman & Wakefield Hospitality mostra que os hotéis económicos atraem mais interesse agora do que antes da pandemia .

“Os investidores valorizam que esses tipos de ativos, com uma boa gestão alcançam boa rentabilidade e não são tão afetados em ciclos negativos. O fato de sua estrutura de custos ser muito restrita permite que se adaptem melhor a situações extremas”.

A recuperação será gradual e chegará primeiro aos destinos de lazer, concordam os entrevistados. 85% acreditam que a recuperação do segmento ocorrerá em 2023, enquanto nas cidades não chegará até 2024, segundo 74% dos investidores.

“A taxa de recuperação esperada é melhor do que após a crise financeira global, quando o RevPAR dos hotéis levou 5 anos e meio para atingir os níveis pré-crise”, observa o relatório.

A recuperação da atividade hoteleira, a situação financeira dos ativos, a rentabilidade e a situação patrimonial no caso de contratos de arrendamento e / ou gestão, são neste momento os riscos por grau de importância para os investidores.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img