Quarta-feira, Abril 17, 2024
Quarta-feira, Abril 17, 2024

SIGA-NOS:

Como as restrições na China estão a afetar o turismo na Ásia?

Antes da pandemia, a China era a maior fonte de turistas da região asiática e esperava-se que com a reabertura dos países asiáticos essa tendência se mantivesse. Contudo, as restrições impostas pelo governo chinês no regresso dos residentes à China veio dificultar esse cenário, escreve a Bloomberg no artigo Asia’s Hungry Travel Sector Is Missing a Key Ingredient: China.

Devido aos surtos de COVID que têm existido, a China deverá manter a estratégia “COVID Zero” e, segundo Krystal Tan, economista do Australia & New Zelândia Banking Group (ANZ), irá estar a controlar as suas fronteiras até, pelo menos, aos Jogos Olímpicos de Inverno, que serão em fevereiro de 2022.

A China tem tentado combater ao máximo a pandemia implementando restrições cada vez mais severas. Atualmente, pessoas que residam na China e vão viajar quando chegam ao país têm de cumprir uma quarentena obrigatória até três semanas, têm de preencher vários documentos, fazer testes e ter seguro. Isto faz com que qualquer tipo de viagem seja “uma proposta pouco atraente”, afirma Wellian Wiranto, economista do Oversea-Chinese Banking Corp.

Contrariamente à China, Bali, Phuket e Langkawi reabriram as fronteiras aos estrangeiros. A reabertura das fronteiras dos países asiáticos deveria ter um impacto muito grande na economia dos países, pois mais de um décimo do seu PIB está relacionado com o setor do turismo.

Contudo, o facto de os turistas chineses não viajarem é um fator alarmante para o setor do turismo dos países asiáticos, porque, se em 2019 os turistas chineses não tivessem correspondido a 40% dos 240 milhões de turistas na Ásia, segundo o HSBC Holdings Plc, as receitas líquidas do turismo asiático teriam sido, em média, menos um ponto percentual.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img