Quarta-feira, Julho 17, 2024
Quarta-feira, Julho 17, 2024

SIGA-NOS:

Este é o verão dos maus turistas?

-PUB-spot_img

Neste verão, têm surgido notícias de turistas com comportamentos impróprios em várias destinos turísticos. O “fenómeno” levou a BBC Travel a questionar se este “é verão dos maus turistas”, num artigo publicado na semana passada.

Desde dois americanos bêbados que entraram sorrateiramente numa secção fechada da Torre Eiffel e dormiram no seu interior até uma francesa que foi presa por esculpir um coração e as suas iniciais na icónica Torre de Pisa, em Itália, há vários exemplos que levam o autor de artigo a escrever que “as pessoas se esqueceram de como agir na casa dos outros”. Mas embora isto possa parecer o verão dos maus turistas, pode representar apenas uma verdade bastante incómoda: desde que as pessoas viajam, que nos comportámos mal.

De Pompéia às pirâmides egípcias, algumas das maravilhas artificiais mais famosas do mundo estão marcadas por grafites nas suas paredes feitos por turistas antigos. Não é nenhum segredo que muitos dos “maiores” viajantes do mundo – como Cristóvão Colombo e Hernan Cortes – estavam entre os piores. E de acordo com Lauren Siegel, professora de turismo e eventos da Universidade de Greenwich, em Londres, ainda nos séculos XVIII e XIX, era comum que os nobres britânicos que participavam do Grand Tour pela Europa menosprezassem e desconsiderassem as pessoas e os lugares que visitavam.

“O que há de diferente neste verão é que ouvimos cada vez mais falar de maus viajantes – e, em última análise, isto pode ser algo bom. A cada novo relato de um comportamento ridículo, surdo ou simplesmente desrespeitoso, a nossa indignação colectiva parece estar a aumentar”.

Para os especialistas ouvidos neste artigo existe uma combinação de fatores está a impulsionar o mau comportamento dos turistas e a nova atenção que lhe estamos a dar.

De acordo com Siegel, ao contrário do que aconteceu no passado, muitos viajantes hoje estão a competir por gostos e visualizações nas redes sociais. “As pessoas estão a recorrer a ações mais extremas nos seus feeds do Instagram ou TikTok”, observou ela.

David Beirman, investigador adjunto da Universidade de Tecnologia de Sidney, observou que quase 1,5 mil milhões de pessoas viajaram internacionalmente em 2019. Com as viagens a atingir os seus níveis mais altos desde antes da pandemia, “é inevitável que alguns turistas pensem que é fixe posar nu em frente a um templo em Bali, embebedar-se num local sagrado islâmico ou dançar em frente a um campo de concentração nazista”.

As manchetes vergonhosas deste verão podem oferecer uma oportunidade para mudança. A cada nova infração, somos lembrados de que as viagens internacionais são um privilégio, lê-se no artigo da BBC Travel.

Para prevenir o mau comportamento de visitantes, vários destinos adotaram uma abordagem proativa. Pontos turísticos como Bali e Islândia pedem agora formalmente aos turistas que prometam respeitar a sua cultura e ambiente depois de os visitarem. Palau exige que os visitantes assinem um compromisso ecológico à chegada. Destinos muito procurados também regulamentam cada vez os turistas. Amesterdão lançou recentemente uma campanha publicitária “fique longe” visando britânicos bêbados.

Siegel aplaude estas diretrizes mais rígidas e aponta para uma nova tendência “ Instagram vs Realidade ” nas redes sociais, onde as pessoas mostram propositalmente as multidões e o caos nos bastidores, comuns em pontos turísticos, muitas vezes omitidos nas imagens e vídeos perfeitamente compostos dos influenciadores.

-PUB-spot_img

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img