Domingo, Agosto 14, 2022
Domingo, Agosto 14, 2022

SIGA-NOS:

Lisboa entre as cinco cidades com a maior recuperação de dormidas, aponta estudo

Entre as 15 cidades com mais dormidas em 2021, os aumentos mais notáveis ​​foram registados em Istambul (87,8%), Madrid (101,5%), Barcelona (55,1%), Milão (+49,2%) e Lisboa (+47,6). Estes são os resultados revelados na 18ª edição do City Destinations Alliance Benchmarking Report que inclui 117 cidades europeias.

O Reino Unido (-26,1%), Rússia (-41,3%), China (-37,8) e Japão (-68,5%) continuaram a registar quedas, enquanto os cinco principais mercados de origem restantes tiveram aumentos, em torno de 10,4% (Alemanha) para 58,4% (EUA).

Turismo da cidade está no caminho da recuperação

O ano passado mostrou taxas médias de crescimento anual positivas em dormidas internacionais nas cidades do CityDNA Report (31,5%) e nas 27 nações da UE e no Reino Unido (12,3%). As cidades aumentaram mais do que outras regiões (34,3% versus 11,4%) em termos de volumes totais de dormidas, o que destaca a importância dos destinos urbanos no turismo europeu.

“Estes resultados demonstram que, apesar do imenso impacto da pandemia nos últimos dois anos, o turismo urbano europeu está no caminho da recuperação. Tendo em conta o desempenho nos anos pré-pandemia (2019) e pandemia (2020 e 2021), as cidades podem agora definir metas mais realistas para a recuperação do turismo não só no ano em curso mas também no médio prazo. É aqui que entra o Relatório CityDNA!” comenta Magnus Hessbo, presidente do CityDNA Research & Insights Knowledge Group.

Outras análises revelaram que a taxa média de crescimento da capacidade de camas das cidades do CityDNA Report ganhou impulso com um aumento de 12,0% em 2021. Em relação à ocupação de camas, a média de referência em 2021 foi de 26,4%, em comparação com 21,3% em 2020.

O CityDNA Benchmarking Report também revela um novo capítulo sobre a estimativa de emissões de CO2 relacionadas ao transporte causadas pelo turismo urbano, em cooperação com a Modul University Vienna. Além disso, após a inspeção das emissões de CO2 causadas pelos turistas que viajam de/para a cidade, “o valor nominal médio do CO2 total em 2021 foi de 207.616, fortemente distorcido por Madrid, Lisboa e Amesterdão”.

“A escolha dos destinos é influenciada por fatores externos turísticos e não turísticos: geopolítica, clima, contexto de saúde, ambiente social e embaixadores “fantasmas” que alimentam uma imagem positiva ou negativa da cidade e muitas vezes escapando aos “radares” habituais dos Turismos Oficiais. É essencial acompanhar não apenas os números quantitativos, mas também a reputação “em geral” das cidades. As cidades são caldeirões para a nossa sociedade; eles são a nossa casa e também a porta de entrada para outras cidades e regiões. A maioria das pessoas se sente emocionalmente conectada à sua cidade e se orgulha do que a torna única”, conclui Petra Stušek, Presidente da CityDNA.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img