Segunda-feira, Fevereiro 6, 2023
Segunda-feira, Fevereiro 6, 2023

SIGA-NOS:

OMT prevê “ano forte para o setor” apesar da situação económica e incerteza geopolítica

Após uma recuperação mais forte do que a esperada em 2022, este ano as chegadas de turistas internacionais podem retornar aos níveis pré-pandémicos na Europa e no Oriente Médio, revela o mais recente relatório da OMT. Espera-se, no entanto, que devido à crise económica, aumente a procura por destinos de proximidade e pela melhor relação qualidade/preço.

Com base nos cenários prospetivos da OMT para 2023, as chegadas globais de turistas internacionais podem atingir 80% a 95% dos níveis pré-pandémicos este ano, dependendo da extensão do abrandamento económico, da recuperação em curso das viagens na Ásia e no Pacífico e da evolução da ofensiva russa na Ucrânia, entre outros fatores.

Todas as regiões do mundo estão a recuperar

De acordo com novos dados da OMT, mais de 900 milhões de turistas viajaram internacionalmente em 2022 – o dobro do número registrado em 2021, embora ainda 63% dos níveis pré-pandémicos. Todas as regiões globais registraram aumentos notáveis ​​no número de turistas internacionais. O Médio Oriente registou o aumento relativo mais forte à medida que as chegadas subiam para 83% dos números pré-pandémicos. A Europa atingiu quase 80% dos níveis pré-pandémicos ao receber 585 milhões de chegadas em 2022. A África e as Américas recuperaram cerca de 65% dos seus visitantes pré-pandêmicos, enquanto a Ásia e o Pacífico atingiram apenas 23% dos níveis de 2019, devido a restrições mais fortes relacionadas com a pandemia que só começaram a ser removidas nos últimos meses.

“Um novo ano traz mais motivos para otimismo para o turismo global. A OMT prevê um ano forte para o setor, mesmo diante de diversos desafios, incluindo a situação económica e a contínua incerteza geopolítica. Os fatores económicos podem influenciar a forma como as pessoas viajam em 2023 e a OMT espera que a procura de viagens domésticas e regionais se mantenha forte e ajude a impulsionar a recuperação mais ampla do setor”, disse o secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili.

Retorno dos turistas chineses

A OMT sublinha que o recente levantamento das restrições de viagens relacionadas com a covid-19 na China, o maior mercado emissor do mundo em 2019, é um passo significativo para a recuperação do setor turístico na Ásia, no Pacífico e em todo o mundo. A curto prazo, é provável que o recomeço das viagens a partir da China venha a beneficiar especialmente os destinos asiáticos. No entanto, isto será moldado pela disponibilidade e custo das viagens aéreas, regulamentos sobre vistos e restrições relacionadas com a covid-19 nos destinos. Em meados de janeiro, um total de 32 países havia imposto restrições específicas de viagem relacionadas a viagens da China, principalmente na Ásia e na Europa.

Ao mesmo tempo, a OMT nota que a forte procura dos Estados Unidos, apoiada por um dólar americano forte, continuará a beneficiar os destinos turísticos. “A Europa continuará a desfrutar de fortes fluxos de viagens dos EUA, em parte devido a um euro mais fraco em relação ao dólar americano”, explica a organização.

Registaram-se aumentos notáveis nas receitas do turismo internacional na maioria dos destinos, em vários casos superiores ao seu crescimento nas chegadas. Segundo a OMT, isto tem sido apoiado pelo aumento das despesas médias por viagem devido a períodos de estadia mais longos, à vontade dos viajantes de gastar mais no destino e a custos de viagem mais elevados devido à inflação. Contudo, a situação económica poderia traduzir-se na adoção de uma atitude mais cautelosa por parte dos turistas em 2023, com despesas reduzidas, viagens mais curtas e mais próximas de casa.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img