Quinta-feira, Dezembro 1, 2022
Quinta-feira, Dezembro 1, 2022

SIGA-NOS:

Quando se trata de viajar, nem todas as vacinas são iguais, alerta a Bloomberg

“Com a retoma das viagens para breve, algumas pessoas estão a descobrir que a escolha da vacina pode determinar para onde podem ir”, escreve a Bloomberg no artigo “When It Comes to a Travel Restart All Vaccines Are Not Equal”, publicado no passado dia 25 de abril.

O artigo começa pela entrevista de Ursula von der Leyen ao New York Times, em que a presidente da Comissão Europeia sugere que a Europa já está planear permitir que americanos vacinados com as vacinas aprovadas pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) possam viajar durante o verão para o continente.

Isto significa que aqueles a quem foram administradas vacinas de fabricantes chineses como Sinovac Biotech e Sinopharm Group “provavelmente serão impedidos de entrar, com graves consequências para a atividade empresarial global e o renascimento do turismo internacional”, refere o artigo.

À medida que os esforços de inoculação aumentam em todo o mundo, está a ser criada “uma manta de retalhos de aprovações” em todos os países e regiões, que levará a uma bifurcação, “em que a vacina obtida pode determinar em quais países podemos entrar e trabalhar”.

Para os cidadãos chineses que viajam para o exterior regularmente e para os ocidentais que procuram oportunidades de negócios na segunda maior economia do mundo, está a surgir um dilema sobre qual opção a escolher. “A China até agora reconhece apenas vacinas feitas na China e suas vacinas não são aprovadas nos Estados Unidos ou na Europa Ocidental”.

A cidadã de Hong Kong, Marie Cheung, viaja regularmente para a China continental para trabalhar com uma empresa de veículos elétricos, uma rotina que foi interrompida por longas estadias de quarentena obrigatórias desde o início da pandemia. Das duas opções de vacinas disponíveis na cidade – uma da Sinovac e outra desenvolvida pela Pfizer Inc. e BioNTech SE – Cheung planeia se inscrever no Sinovac para facilitar a entrada e saída do continente. Enquanto isso, o marido britânico irá será vacinado com a Pfizer-BioNTech “para aumentar a possibilidade de visitar a família no Reino Unido.

“Para as pessoas que precisam trabalhar ou retornar ao continente, a vacina chinesa é a única opção para elas”, disse Cheung. “Os ocidentais escolherão apenas a vacina reconhecida por seu país de origem.”

Para milhões de pessoas em todo o mundo que não podem escolher que vacinas podem tomar, o risco de mais países se tornarem seletivos sobre quais as vacinas que reconhecem, especialmente devido às taxas de eficácia variáveis, cria a possibilidade de que, mesmo totalmente inoculadas, as viagens ainda possam ser limitadas – com consequências para a atividade empresarial internacional e para a indústria do turismo.

A UE planeia introduzir certificados de vacinação, a partir de junho, o que permitirá a viagem de pessoas inoculadas ou recentemente recuperadas da Covid-19 e, portanto, consideradas imunes. De acordo com o rascunho do regulamento – sujeito às negociações em andamento entre os governos da UE e o Parlamento Europeu – todas as vacinas aprovadas pela EMA serão aceites ​​para viagens, embora os membros da UE sejam “encorajados” a aceitar vacinas que asseguraram a aprovação pela Organização Mundial de Saúde para uso de emergência, assim como certificados emitidos por países não pertencentes à UE. A decisão final sobre quais vacinas aceites depende de cada um dos Estados membros.

“Uma divisão global das pessoas baseada na adoção da vacina só vai exacerbar e continuar os efeitos económicos e políticos da pandemia”, disse Nicholas Thomas, professor associado de segurança sanitária na City University of Hong Kong.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img