Terça-feira, Dezembro 6, 2022
Terça-feira, Dezembro 6, 2022

SIGA-NOS:

Reino Unido. Aviação quer testes rápidos e baratos na retoma das viagens

Os responsáveis da aviação no Reino Unido querem que sejam usados testes rápidos antigénio mais baratos ou testes de fluxo lateral na retoma das viagens.

O primeiro a falar do assunto foi o CEO da easyJet, Johan Lundgren, ao dizer que, se os testes PCR  antes da partida e chegada forem necessários para os viajantes que chegam ao Reino Unido, a despesa será “muito acima do custo de uma tarifa média da easyJet”.

Perante a afirmação de que o atual custo dos testes poderia impedir muitas pessoas de viajar em lazer ao exterior, o primeiro-ministro Boris Johnson disse na terça-feira (6 de abril) que o governo procuraria tornar os requisitos de testes internos do país “tão flexíveis e acessíveis possível ” .

No momento, aqueles que viajam para o Reino Unido podem fazer um teste de fluxo lateral para atender aos requisitos de teste pré-embarque do governo. No entanto, os testes exigidos no segundo e no oitavo dia de seu auto-isolamento de 10 dias devem ser testes de PCR.

Tim Alderslade, presidente-executivo da Airlines UK, órgão comercial das companhias aéreas registadas no Reino Unido, e Karen Dee, presidente-executiva da Airport Operators Association, escreveram ao primeiro-ministro para enfatizar a importância de usar testes Covid-19 rápidos e mais económicos  “como parte dos esforços do governo para reiniciar as viagens internacionais”, refere a publicação TTG.

De acordo com as regras de viagem atuais, cada viajante pode ser obrigado a fazer até quatro testes PCR como parte de sua viagem – um de ida, um antes da partida antes de um voo de retorno e dois ao retornar ao Reino Unido.

“Poucas pessoas podem se dar ao luxo de adicionar centenas de libras em custos de teste a uma viagem padrão”, dizia a carta. “Isso criaria uma barreira significativa para viajar para muitos e poderia impedir um reinício significativo neste verão.

“Enquanto buscamos nos recuperar da pandemia, continuamos a acreditar que não devemos perder nenhuma oportunidade de implantar as ferramentas e novos conhecimentos disponíveis para permitir que as viagens sejam reiniciadas com segurança, enquanto mitigamos os riscos à saúde.”

Em entrevista ao TNews, o diretor geral-geral da easyJet defende o mesmo princípio: “ A easyJet considera que quando se tem que impor testes por uma questão de saúde pública, se deve recorrer à combinação de 2 testes antigénio (5 e 3 dias antes da viagem), em vez de um teste PCR (3 dias antes da viagem). Essa solução garante a mesma eficácia a nível de saúde pública, é muito mais económica e impacta menos a procura. Convém recordar que o custo de um teste PCR é, em muitos casos, mais caro do que o próprio voo. Neste sentido, defendemos que todos os países da União Europeia devem agir em conformidade e estipular medidas comuns, claras e objetivas acerca do processo de circulação no espaço europeu.”

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img