Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024
Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024

SIGA-NOS:

Teste pré-voo da Delta diminui de forma significativa a taxa de infeções por COVID-19 a bordo, revela estudo

O risco de exposição à COVID-19 durante a viagem, após todos os passageiros apresentarem resultados negativos 72 horas antes dos seus voos, é inferior a 0,1 por cento, revelou um estudo que examinou os dados de clientes do mundo real nos corredores de voo da Delta testados à COVID entre Nova Iorque-JFK, Atlanta e o Aeroporto Internacional Fiumicino em Itália.

O estudo, conduzido pelo Departamento de Saúde da Geórgia e a Mayo Clinic em conjunto com a Delta, mostrou que um único teste molecular à COVID-19 realizado até 72 horas antes da partida pode diminuir a taxa de pessoas ativamente infetadas a bordo de um avião comercial para um nível significativamente abaixo das taxas de infeção ativa da comunidade. Por exemplo, quando a taxa média de infeção da comunidade foi de 1,1 por cento, as taxas de infeção em voos testados à COVID-19 foram de 0,05 por cento.

“Vamos conviver com as variantes do COVID-19 por algum tempo. Estes dados do mundo real – não modelos de simulação – são os que os governos de todo o mundo podem usar como modelo para exigir vacinações e testes ao invés de quarentenas para reabrir as fronteiras às viagens internacionais”, explicou o Dr. Henry Ting, chief health officer da Delta. “O risco das viagens aéreas varia de acordo com as taxas de casos e de vacinação na origem e destino, o uso de máscaras e outros fatores. Mas os dados coligidos neste estudo mostram que o uso rotineiro de um único teste molecular até 72 horas antes das viagens internacionais para indivíduos não vacinados reduz significativamente o risco de exposição e transmissão da COVID-19 durante as viagens aéreas.”

Henry Ting acrescentou que a “nossa experiência no mundo real e os protocolos de teste demonstram que um risco muito baixo de transmissão de infeção é possível, confirmando modelos anteriores de simulação de transmissão viral em aviões.”

O estudo foi iniciado em dezembro de 2020 com o programa de teste à COVID-19 transatlântico, que permitiu a entrada sem quarentena em Itália e permitiu que as equipas pudessem rever e modelar várias estratégias de teste para a viabilidade, as taxas de falsos-positivos e de deteção de casos.

Atualmente, os resultados deste estudo estão disponíveis e oferecem insights exclusivos dos dados sobre o risco de exposição ao SARS-CoV-2, taxas de infeção a bordo e mostrando a exequibilidade de implementar um protocolo de teste com um impacto significativo.

“Quando juntamos a taxa de infeção extremamente baixa a bordo de um voo testado à COVID-19 com as camadas de proteção a bordo, incluindo as máscaras obrigatórias e a filtragem do ar de nível hospitalar, o risco de transmissão é inferior a um em um milhão entre os Estados Unidos e o Reino Unido, por exemplo”, explicou o Dr. Ting. “Estes números vão melhorar ainda mais à medida que as taxas de vacinação aumentam e os novos casos diminuem em todo o mundo”.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img