Quarta-feira, Fevereiro 8, 2023
Quarta-feira, Fevereiro 8, 2023

SIGA-NOS:

O melhor e o pior de 2022 e desejos para 2023

Agora que estamos a chegar ao fim de 2022, quisemos saber que balanço fazem os profissionais de turismo do ano que termina. Saiba o que elegeram como o melhor e o pior de 2022 e os seus desejos para 2023.

António Marto, presidente da Associação Fórum Turismo

+ Melhor de 2022
2022 fica necessariamente marcado pela resiliência do setor do Turismo. Aquele que foi provavelmente o setor mais afetado pela Covid-19, volta a ser um dos primeiros setores a recuperar de uma catástrofe, à semelhança do que já tinha acontecido após a última grande crise financeira em Portugal. Aplaudimos a força de vontade dos empresários e os portugueses que, de forma geral, contribuíram para o turismo interno durante este período de maior dificuldade para todos. Vimos também questões como alterações à Lei dos Estrangeiros, que simplifica procedimentos para a procura de trabalho, ser um contributo positivo para o setor com efeitos para o próximo ano.

– Pior de 2022

De olhos postos no presente, não podemos deixar de planear o futuro. O Turismo, que vive necessariamente de movimentos, necessita com urgência que decisões fundamentais para o setor sejam tomadas. Infelizmente, mais um ano passou sem que a decisão política sobre a possibilidade de Portugal ter um novo aeroporto tenha sido tomada. Inegavelmente a guerra e o aumento dos preços e por sua vez a inflação, também remataram negativamente o ano de 2022.

Desejo para 2023
Em 2022 o destino “Portugal” uniu e apaixonou os portugueses. O nosso desejo é que em 2023 seja um ano cheio de inovação na criação de novos negócios ou nos já existentes.

Ricardo Cardia, managing director das Viagens El Corte Inglés em Portugal

+ Melhor de 2022

A “vingança positiva” do consumidor gerou a reactivação total do sector e uma confiança renovada. Num ano de retoma foi factor determinante para um ano de sucesso.

– Pior de 2022

A “vingança negativa” de alguns agentes do turismo após 2 anos de pandemia, foi desapropriada e por vezes gananciosa. Colocou em risco o crescimento saudável e sustentado a médio longo prazo. O exponencial aumento da procura deve vir acompanhado de uma consciência do serviço que se presta e de uma análise real do impacto que isso pode gerar.

Desejo para 2023

Uma mobilização total do setor para eclipsar as palavras da moda: guerras, greves, fuel, inflação e incerteza. E, por outro lado, sermos capazes de fazer crescer o mercado, oferecendo credibilidade e diferenciação.

Carlos Leal, diretor geral da United Investments Portugal

+ Melhor de 2022

O aumento da procura pelo destino Portugal e de novos mercados como EUA.

– Pior de 2022

Falta de mão de obra especializada na hotelaria e a falta de eficácia do Governo em ouvir e reagir aos apelos.

Desejo para 2023

Continuação da promoção de Portugal como destino de preferência na Europa e redução da burocracia do governo para facilitar o recrutamento e vistos de trabalho para solucionar a falta de profissionais em hotelaria.


Hélder Martins, presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA)

+ Melhor de 2022

A capacidade de resiliência do setor para retomar a atividade depois de uma tão grande “catástrofe”, superando todas as expetativas.

– Pior de 2022

A instabilidade nos preços, a falta de recursos humanos e a guerra.

Desejo para 2023

O fim da guerra e a continuação da recuperação da atividade turística.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img