Sábado, Julho 13, 2024
Sábado, Julho 13, 2024

SIGA-NOS:

Pesquisa aponta confiança na recuperação total das viagens em 2023

-PUB-spot_img

Uma nova pesquisa com especialistas da indústria de viagens, conduzida pela Collinson e CAPA – Center for Aviation (CAPA), mostrou um aumento na expectativa de retoma das viagens aos níveis pré-pandémicos em 2023, contra as expectativas de há cinco meses.

A segunda edição recém-lançada do ‘Asia Pacific Travel Recovery Report’, realizada em setembro de 2021, apresenta as últimas previsões de recuperação da indústria de viagens – incluindo as expectativas dos viajantes – para o próximo ano.

A extensa pesquisa com mais de 400 executivos e especialistas da indústria de viagens de marcas líderes globais revela que 37% dos entrevistados espera uma ‘recuperação total’ para os níveis pré-pandémicos de 2019 em 2023, em comparação com 35% na pesquisa de abril de 2021. O otimismo de que a imunidade coletiva seria alcançada nos EUA, Reino Unido e alguns outros países desenvolvidos caiu de 33% para 24%. Além disso, as preocupações com a quarentena e os resultados fraudulentos dos testes Covid-19 continuam a ser uma preocupação para os entrevistados.

Um número crescente de especialistas espera que os acordos de reabertura das fronteiras por parte dos governos sejam facilitados ou atenuados em 2022 (43%), enquanto um terço dos entrevistados globais (32%) ainda espera que os acordos de reabertura de fronteiras pelos governos evoluam em diferentes taxas em 2022. Esta é uma redução significativa de 56% em relação a pesquisa de abril de 2021, em que a incerteza predominou.

Confiança nos protocolos de teste de covid

Demonstrando confiança nos protocolos de teste que permitem um retorno mais seguro às viagens, mais da metade (54% – um aumento de 3% desde abril) espera que os testes da Covid-19 continuem a ser essenciais para reabrir as fronteiras até ao final de 2022, com mais 26% a esperar que isto aconteça até ao final de 2023. Esta mentalidade pode ser vista pelas recentes reaberturas de fronteira em mercados como Singapura, Austrália e Estados Unidos -os quais citam os testes Covid-19 como componentes principais para a quarentena reduzida ou viagem sem quarentena.

Por outro lado, 74% dos especialistas estão preocupados com o resultados de testes fraudulentos de Covid-19 e passaportes de vacinação. Os níveis de “muito preocupados” aumentaram de 38% em abril de 2021 para 41% em setembro de 2021 e para os “moderadamente preocupados” de 28% em abril de 2021 para 34% em setembro de 2021. Para lidar com essas preocupações, a Collinson está a realizar parcerias com 30 companhias aéreas, aeroportos e fornecedores de tecnologia em todo o mundo para ajudar a implementar processos de verificação aprimorados nos principais pontos de verificação da viagem, bem como tornar os testes confiáveis ​​e credenciados da Covid-19 mais facilmente acessíveis aos viajantes.

Globalmente, apenas 72% partilham a opinião de que a documentação da vacina para viajantes é de “importância vital”, com a maioria dos governos a não correr o risco de reabrir as fronteiras sem isso. Em relação à quarentena feita pelos viajantes ao chegar a um país, 38% dos especialistas agora espera que as medidas de quarentena permaneçam em vigor no futuro como uma precaução extra de segurança além das vacinações e testes, ante 23% em abril de 2021.

O estado de espírito do viajante

Uma grande número de especialistas acredita que viajar é “extremamente seguro” se todos aderirem a soluções preventivas (por exemplo, uso de máscara, distanciamento social). No entanto, o número caiu 17% (42% registados em setembro; 59% em abril), sugerindo uma queda na confiança, apesar do lançamento generalizado da vacina, e dadas as nuances variadas quanto ao que os indivíduos podem considerar serem soluções seguras.

Da mesma forma, as pessoas que consideram as viagens simplesmente “não seguras” duplicaram: de 4% em abril de 2021 para 10% em setembro de 2021. Isso é um indicativo da oportunidade de tranquilizar, educar e comunicar aos passageiros como a segurança continua a ser a prioridade máxima.

Os resultados mostram um provável desejo maior de estar “longe das multidões” com acessos rápidos e experiências de lounge preferidas. Isso está de acordo com o esforço global do Priority Pass para aprimorar as experiências do lounge para os viajantes; com a introdução do Be Relax Spas para o máximo relaxamento antes do voo, e ofertas de alimentos e bebidas sem contato, como o Ready 2 Order.

Um reinício lento para viagens de negócios

Embora os negócios de curta distância e as viagens corporativas tenham retomado cautelosamente em alguns mercados, houve pouco movimento entre as pesquisas de abril de 2021 e setembro de 2021. Ao prever viagens em 2022, pouco mais de um terço (35%) dos entrevistados esperam uma recuperação de 41-60% para os níveis pré-pandémicos de 2019 de viagens de negócios de curta distância, enquanto 23% são mais positivos e esperam atingir 61-80% dos níveis de 2019 no próximo ano. Apenas 8% veem 80% a mais dos níveis de 2019 no próximo ano.

As viagens de negócios de longa distância são as que estão mais difíceis de se imaginar a retoma. Espera-se que a recuperação para os níveis de 2019 demore mais do que qualquer um dos outros segmentos. De acordo com 86% dos entrevistados, menos de dois terços do mercado de viagens corporativas / de negócios de longa distância estará de volta no próximo ano. Enquanto na Ásia-Pacífico, pouco menos de um terço (30%) dos entrevistados da pesquisa acredita que não atingiremos os 20% dos níveis de 2019 no próximo ano.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img