Quinta-feira, Maio 23, 2024
Quinta-feira, Maio 23, 2024

SIGA-NOS:

Cancelamentos e atrasos na Europa diminuem reservas de voos de última hora

As reservas de última hora para voos dentro da Europa caíram 44% em relação aos níveis de 2019 em 10 de julho, de acordo com uma nova pesquisa do especialista em inteligência de viagens ForwardKeys.

O relatório examina as reservas intra-europeias para voos de julho e agosto e as mudanças na capacidade de assentos.

Os resultados mostram que a confiança do consumidor diminuiu constantemente desde a última semana de maio. A queda na confiança do consumidor está relacionada a um aumento nos cancelamentos parciais e alterações nas reservas de voos, que quase triplicou em relação aos níveis de pandemia no período de 30 de maio a 10 de julho, segundo a ForwardKeys.

A desaceleração foi “muito pior” para Amesterdão e Londres. No final de maio, as reservas de julho a agosto de Amesterdão estavam 9% atrás dos níveis de 2019 e de Londres estavam 9% à frente. Desde então, eles caíram para 22% e 2%, respetivamente, o que equivale a uma desaceleração de 13 pontos percentuais nas reservas de Amesterdão e uma desaceleração de 11 pontos percentuais em Londres.

Na mesma métrica (queda de pontos percentuais), segue-se Lisboa, 18%; Barcelona, ​​15%; Madrid, 14%; e Roma 9%. Seguindo a mesma abordagem com Londres, os destinos mais afetados são Istambul, onde as reservas caíram 32%; Palma de Maiorca e Nice, 12%; e Lisboa e Atenas, 7%.

A desaceleração de 5 pontos percentuais nas reservas intra-europeias da última semana de maio a 11 de julho é refletida por uma redução semelhante na capacidade de assentos das companhias aéreas no mesmo período. A ForwardKeys revela que, a capacidade programada de assentos intra-europeus, sofreu uma redução de 5% em todo o continente, com Amesterdão e Londres experimentando as maiores reduções, de 11% e 8%, respectivamente.

Olivier Ponti, vice-presidente de insights da ForwardKeys, diz que aeroportos e companhias aéreas têm lutado para lidar com o recente ressurgimento da procura, levando ao “caos para os viajantes cujos voos são afetados”.

Ponti diz estar confiante de que os aeroportos acabarão por atingir uma equipa completa. Mas ele aponta várias tendências que o preocupam: aumento dos custos de combustível, inflação e redução da procura devido a interrupções nas viagens.

“Estamos vendo uma desaceleração dramática nas reservas de voos de última hora, além de um aumento nos cancelamentos. No final de maio, parecia que veríamos um verão excepcional para viagens dentro da Europa, mas agora é mais provável que seja apenas um bom.”

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img