Terça-feira, Outubro 4, 2022
Terça-feira, Outubro 4, 2022

SIGA-NOS:

easyJet lança campanha para inspirar jovens a seguirem carreira na aviação

A easyJet lançou uma campanha em toda a Europa para combater os estereótipos profissionais e inspirar mais jovens a considerar uma carreira na aviação, incluindo encorajar mais raparigas a tornarem-se pilotos.

Num novo filme de recrutamento lançado esta terça-feira, 10 de maio, a companhia aérea recriou cenas do clássico blockbuster dos anos 80, Top Gun, em que os papéis de piloto principal foram interpretados por um elenco masculino.

O novo filme intitulado “Calling all Mavericks” vê os papéis invertidos, com Maverick e Goose interpretados por Rei Diec, de sete anos, e Oliva Joohee Ridington, de nove anos, apoiados por um elenco de tripulação de cabine, engenheiros e equipa de operações terrestres.

Filmado no Aeroporto de Londres Luton, com um elenco de filhos da equipa da easyJet com idades entre sete e 12 anos, o filme recria alguns dos momentos mais emblemáticos de Top Gun, incluindo a cena de moto de Tom Cruise, a sala de aula e a infame cena “É hora de zumbir na torre!”.

O lançamento da campanha acontece após uma nova pesquisa da easyJet, que revelou que os britânicos acreditam que os estereótipos de género ainda são promovidos pelos filmes de Hollywood e limitam as aspirações profissionais das crianças.

Concretamente, um estudo a 3.000 pais britânicos e aos seus filhos revela que quase quatro em cada cinco (79%) dos entrevistados acreditam que Hollywood ainda perpetua os estereótipos de género quando se trata de cargos de homens e mulheres.

Ao reinterpretar cenas do clássico filme Top Gun, de 1986, a companhia aérea espera corrigir noções de empregos na indústria encaminhadas pelo cinema e pela TV e incentivar mais jovens a considerar uma carreira na aviação – particularmente em funções como pilotos, engenharia e operações.

85% dos pais britânicos ainda acreditam que há equívocos de que um piloto é um trabalho para homens e quase metade (48%) das 1.500 mulheres entrevistadas disseram que nunca consideraram um trabalho como piloto de avião, pois pensavam que era um trabalho para um homem quando eram mais jovens. Os mesmos equívocos também foram revelados como aplicáveis a outras funções na indústria, incluindo engenheiros (83%) e operações (75%).

Quase 90% das mulheres entrevistadas disseram que as pré-concepções de empregos para homens e mulheres começaram na escola, e 88% também disseram que ver homens desempenhando papéis de protagonistas em trabalhos técnicos, como pilotos em filmes e TV, reforça esses estereótipos.

Das crianças inquiridas, quase dois terços (60%) disseram pensar que um piloto era um trabalho para um rapaz, enquanto quase metade 43% ainda nunca viram uma piloto mulher.

Com apenas cerca de 6% dos pilotos em todo o mundo sendo mulheres, a easyJet tem tentado conscientemente resolver esse desequilíbrio de género em todo o setor há vários anos e dobrou o número de pilotos do sexo feminino em suas fileiras desde 2015.

A companhia aérea deve voar perto dos níveis pré-pandémicos este verão, com muitas pilotos recém-qualificadas que ingressaram na companhia aérea nos últimos meses.

O desequilíbrio de género na comunidade de pilotos continua a ser o maior fator que influencia o número de diferenças salariais de género da companhia aérea, o que, portanto, representa um desequilíbrio de género e não uma remuneração desigual. A easyJet continua focada em resolver isso a longo prazo, incentivando mais mulheres a ingressar na companhia aérea nos próximos anos e inspirando mais meninas a juntarem-se à próxima geração de pilotos da easyJet no futuro.

A companhia aérea reabriu recentemente o seu programa de treino de pilotos – pela primeira vez desde a pandemia para trazer 1.000 novos pilotos a bordo nos próximos cinco anos.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img