Quarta-feira, Novembro 30, 2022
Quarta-feira, Novembro 30, 2022

SIGA-NOS:

Greve da Groundforce leva ao cancelamento de quase 600 voos no aeroporto de Lisboa

A greve dos trabalhadores da empresa de `handling´ Groundforce este fim de semana levou ao cancelamento de quase 600 voos no aeroporto de Lisboa, 242 no sábado e 321 no domingo segundo os dados divulgados pela ANA – Aeroportos de Portugal.

O aeroporto de Lisboa foi o mais afetado pela greve que, no entanto, provocou também cancelamentos nos restantes aeroportos da ANA. No aeroporto do Porto foram cancelados este domingo 37 voos, no aeroporto de Faro foram canceladas sete ligações aéreas e, na Madeira e no Porto Santo, a greve levou ao cancelamento de seis voos em cada um dos aeroportos.

À semelhança de sábado, primeiro dia de greve, a ANA solicitou aos passageiros com voo marcado para domingo que se informassem sobre o estado do mesmo, antes de se deslocarem para o aeroporto, e, no caso de cancelamentos, que não se dirigissem para o aeroporto de Lisboa.

O Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos (STHA) marcou esta greve em protesto pela “situação de instabilidade insustentável, no que concerne ao pagamento pontual dos salários e outras componentes pecuniárias” que os trabalhadores da Groundforce enfrentam desde fevereiro de 2021.

A paralisação vai prolongar-se ainda pelos dias 31 de julho, 01 e 02 de agosto.

O STHA não recebeu qualquer contacto para solucionar o problema que está na origem da greve e o seu presidente, André Teives, receia que nada mude a tempo de travar a nova paralisação.

Com nova paralisação agendada para os dias 31 de julho, 01 e 02 de agosto, o dirigente sindical receia que nada mude, acentuando que desde que a greve em curso teve início “o sindicato não foi contactado por nenhuma entidade responsável, seja a Groundforce, seja a TAP”, referiu, citado pela Lusa.

A Groundforce é detida em 50,1% pela Pasogal e em 49,9% pelo grupo TAP, que, em 2020, passou a ser detido em 72,5% pelo Estado português.

A TAP garantiu no sábado que não tem quaisquer pagamentos em atraso à Groundforce, depois de a empresa de ‘handling’ ter acusado a companhia aérea de uma dívida de 12 milhões de euros por serviços já prestados.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img