Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024
Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024

SIGA-NOS:

Mercado das Viagens ambiciona crescimento “a dois dígitos na faturação” e a abertura de 4 agências em 2024

O Mercado das Viagens registou um volume de negócios de aproximadamente 12 milhões de euros durante o ano de 2023. A expansão da rede incluiu a inauguração de duas agências no último ano, localizadas em Rebordosa e em Faro. Para o ano de 2024, a meta estabelecida pela empresa é atingir um crescimento de “dois dígitos em faturação” e a abertura de quatro novas agências, elevando o total para 22. Adriano Portugal, diretor da empresa, destaca a importância do crescimento sustentável, evitando uma expansão quantitativa que comprometa a identidade e o ADN da marca.

As informações foram apresentadas durante a 5ª Convenção do Mercado das Viagens, que reuniu cerca de 100 agentes de viagens e parceiros no Vila Galé Elvas, entre 2 e 3 de fevereiro. “A convenção está a correr muito bem”, afirmam os responsáveis, destacando a relevância do evento como um momento crucial de “contacto com os players e definição de estratégias comuns a todos nós”. O objetivo da rede é “passar a imagem de que somos uma marca nacional, presente em todo o território e em quase todas as regiões do país”. A escolha de Elvas para a 5ª convenção do grupo também visa demonstrar que a rede não se concentra exclusivamente no litoral.

Sobre o balanço de 2023, os gestores destacam a produtividade do ano, com um crescimento na ordem dos 7/8%. Contudo, manifestam cautela para 2024, apontando para incertezas decorrentes de conflitos globais e instabilidade política. “Estou em querer que vamos ter um ano bom, mas temos os pés assentes na terra”, admite Adriano Portugal, diretor-geral do Mercado das Viagens, sublinhando que “o mercado é muito volátil”.

No ano passado, a faturação atingiu cerca de 12 milhões de euros, sendo 90% provenientes de destinos de lazer e 10% do mercado corporativo. Os destinos mais procurados incluíram Cabo Verde, Maiorca, Caraíbas, Menorca e Senegal. A Solférias, Ávoris e W2M foram os operadores mais vendidos, impulsionados pela comercialização de produtos charter, alinhados com a orientação mais voltada para o lazer das agências Mercado das Viagens. No segmento de bed banks, destacaram-se a Tour10, Veturis e W2M.

Relativamente ao rebrand da marca em 2023, os responsáveis salientam a introdução de novas cores e a atualização de produtos, sem comprometer a identidade característica do Mercado das Viagens.

Com 18 agências abertas, a rede ambiciona abrir mais quatro este ano, totalizando 22 agências. A estratégia de crescimento é enfatizada pela intenção de manter a qualidade do serviço prestado, evitando ultrapassar as 30/32 agências no total. “Queremos que quem está no grupo sinta esse ADN”, reforça Adriano Portugal.

Workshop no segundo dia da 5ª Convenção do Mercado das Viagens, que se realizou entre 2 e 3 de fevereiro no Vila Galé Elvas.

Perspetivas para este ano

Quanto às perspetivas para 2024, a estratégia é focar na elevação das vendas e rentabilidade, recusando a abordagem de “vender por vender”. Os responsáveis destacam a procura pela máxima rentabilidade das empresas associadas à marca, visando “ultrapassar os resultados do ano passado” e “subir dois dígitos em faturação”.

Atualmente, a rede comercializa apenas operadores turísticos e bed banks. Sobre a possibilidade de terem produto próprio, os administradores explicam que estão “a trabalhar grupos muito específicos que os operadores não têm colocado no mercado” e que a rede fornece às agências. Pretendem oferecer “produtos diferentes”, dando “ao cliente aquilo que não encontra em mais lado nenhum”. Contudo, admitem que “tudo depende das ligações aéreas”, revelando conversações com duas companhias aéreas, incluindo a Turkish Airlines.

Questionados sobre a análise de novos destinos, Adriano Portugal destaca o sucesso da Bulgária com a Viajar Tours no passado, considerando-a uma opção económica com boas praias. Menciona também o Brasil como um destino que “está a voltar a ser apetecível”, indicando que “é dos destinos que os clientes mais perguntam nas agências”.

Quanto à oferta atual dos operadores turísticos, admitem que o “mercado está muito saturado” e que há uma tendência para “venderem todos os mesmos destinos”, defendendo a necessidade de “um entendimento maior entre os diferentes players do mercado”.

Serviços oferecidos às agências

Na área de serviços oferecidos às agências, a rede atualmente dispõe de diversas plataformas, incluindo a Optigest e a GBN, bem como o seu consolidador aéreo próprio, lançado em colaboração com a Amadeus há aproximadamente um ano. Acerca deste último, os responsáveis destacam que os “resultados foram surpreendentes”.

Além disso, a rede encontra-se à procura de outras plataformas, nomeadamente um agregador de hotéis. O propósito é claro: “poupar tempo ao agente de viagens, que perde muito tempo na pesquisa”. A intenção é apresentar “plataformas que facilitem o trabalho do dia-a-dia do agente de viagens”.

Adicionalmente, a rede disponibiliza de forma gratuita um departamento de marketing às agências de viagens, sendo que “80% do nosso budget de marketing é direcionado para o digital, redes sociais, e para a nossa embaixadora da marca em 2024”, que será a atriz e influencer portuguesa Sara Prata. Este investimento tem como objetivo “divulgar a marca” e obter “mais notoriedade”.

No âmbito da formação, além das formações internas, a rede tem apostado em sessões diretas com diversos players do mercado, como companhias de cruzeiro e aviação, durante duas épocas específicas do ano. Esta estratégia visa apresentar novos produtos que emergem no mercado, fortalecendo o conhecimento dos agentes de viagens sobre as últimas tendências e ofertas disponíveis.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img