Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024
Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024

SIGA-NOS:

NH Hotel Group regista inflexão nos resultados: “Estamos a deixar para trás a mais dura crise do turismo”

O levantamento das restrições de mobilidade no sul da Europa permitiu ao NH Hotel Group melhorar os seus resultados no segundo trimestre de 2021 e registar receitas de 154 milhões de euros em comparação com os 62 milhões no primeiro trimestre. A empresa já fala num ponto de viragem da atividade desde a declaração da pandemia em março de 2020, embora o semestre continue negativo com perdas de 145,4 milhões.

A recuperação gradual desde maio em conjunto com o controlo de custos, permitiu à empresa proprietária da marca NH Hotels, NH Collection Tivoli, Anantara, Avani, entre outras, que as perdas recorrentes no segundo trimestre fossem reduzidas em 93 milhões de euros para 50,8 milhões de euros e incluindo as mais-valias líquidas do volume de negócios, estas perdas foram reduzidas em 140 milhões ou 87% para 21,3 milhões de euros.

No primeiro semestre do ano, a empresa reportou receitas de 215,9 milhões de euros e reduziu o seu prejuízo líquido em 73 milhões euros, ou 33,5%, para 145,4 milhões euros.

O NH Hotel Group teve nove em cada 10 hotéis abertos desde maio de 2021. A ocupação média continua a melhorar mês após mês, atingindo 40-45% em julho, sendo o ritmo de recuperação no sul da Europa o mais notável.

Ramón Aragonés, CEO do NH Hotel Group, destacou como “um sucesso” o facto da empresa se aproximar do ponto de inflexão para sair da crise com uma estrutura financeira sólida, que atribuiu às medidas tomadas no primeiro semestre, incluindo os 400 milhões de euros emissão de obrigações com garantia sénior, um investimento de capital de € 100 milhões pela Minor International ou a venda e relocação por 125,5 milhões de euros do hotel NH Collection Barcelona Gran Hotel Calderón .

“Estamos a deixar para trás a mais dura crise do setor de turismo da história recente. Chegar até aqui exigiu um grande esforço. Reforçamos a nossa estrutura de capital para que possamos aproveitar as oportunidades que estão por vir. Estamos convencidos de que os sacrifícios e o trabalho árduo do último ano e meio darão frutos ao longo dos próximos 18 meses ”, disse Aragonés.

Por unidade de negócios, após o levantamento das restrições em maio, a recuperação da receita foi particularmente forte no sul da Europa. Entre Abril e Junho, as receitas em Espanha totalizaram 48 milhões de euros e na Itália 21 milhões de euros, enquanto as receitas do Benelux e da Europa Central, excluindo os subsídios recebidos, rondaram os 16 milhões de euros cada. Em geral, as cidades secundárias superaram os destinos das principais cidades. Na América Latina, a receita do primeiro semestre diminuiu 19% em moeda local no México, 52,4% em moeda constante na Argentina e 26% em moeda local na Colômbia e Chile.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img