Sexta-feira, Julho 12, 2024
Sexta-feira, Julho 12, 2024

SIGA-NOS:

Preços dos voos sobem 31% em dois anos e Portugal torna-se o país mais caro para viajar no sul da Europa

-PUB-spot_img

Os preços dos voos têm vindo a aumentar drasticamente nos últimos dois anos, com um aumento médio de 31,2%, de acordo com um recente estudo realizado pela Mabrian. Este aumento é atribuído a vários fatores, incluindo o aumento dos custos operacionais, a inflação e a elevada procura por viagens aéreas. Atualmente, Portugal destaca-se como o país mais caro para viajar no sul da Europa.

O estudo analisou os preços médios mensais dos voos desde 1 de julho de 2021 até 1 de junho de 2023, abrangendo voos de 157 países, incluindo bilhetes de voos diretos para destinos internacionais e bilhetes só de ida com taxas e impostos incluídos.

Uma das principais conclusões do estudo é que as companhias aéreas tradicionais aumentaram os preços em média 40% nos últimos 24 meses, enquanto as companhias aéreas de baixo custo registaram um aumento de apenas 6%.

Segundo o estudo, os cinco destinos mais caros para viajar de avião a partir de qualquer origem até 23 de junho incluem o Qatar, Mali, Jordânia, Panamá e Sudão. Em contraste, os cinco destinos mais baratos para viajar de avião a partir de qualquer origem são Bolívia, Eslováquia, Malásia, Nepal e Colômbia.

“O aumento dos custos, a inflação e a elevada procura afectam o preço final pago pelo cliente”

Mabrian

A região do Norte da Europa, o Sul da Europa e o Mediterrâneo e a Ásia foram as áreas onde os preços médios mais aumentaram, de acordo com a Mabrian. Por outro lado, o Oriente Médio, com exceção do Qatar, que viu um aumento nas tarifas devido à realização da Copa do Mundo, registou um aumento menos pronunciado em comparação com outras regiões.

O Norte da Europa, o Sul da Europa e o Mediterrâneo, e a Ásia são as regiões onde os preços médios mais aumentaram, de acordo com a Mabrian. Por outro lado, o Médio Oriente, com exceção do Qatar, que apresenta um aumento das tarifas devido à celebração do campeonato do mundo de futebol, registou um aumento menos pronunciado do que as outras regiões.

Portugal destaca-se como o país do Sul da Europa com os preços de voos mais elevados

A Mabrian destaca que, no Norte da Europa, nenhum dos países analisados retornou aos níveis de 2021. Atualmente, a Holanda é o país mais caro para viajar, seguida pelo Reino Unido. O Reino Unido é o país que mais aumentou os preços em 2023 em comparação com 2021, enquanto a Alemanha e a França viram picos de preços elevados durante 2022, e a Noruega manteve preços mais estáveis ao longo desses dois anos.

De acordo com especialistas, como Gavin Eccles da GE Consulting, “ao focarmos no Norte da Europa, nos principais mercados do Reino Unido e da Alemanha, os preços dos voos para o período de 23 de janeiro a 22 de junho registaram fortes aumentos nos primeiros meses, à medida que as viagens a partir desses mercados continuaram a prosperar durante o inverno e o início do verão, permitindo às companhias aéreas gerar fortes receitas”.

“O principal fator [para a subida dos preços] parece ser o forte aumento do preço do petróleo e a mudança forçada de operações que muitas companhias, especialmente as antigas, tiveram de fazer durante a pandemia”

Carlos Cendra, diretor de marketing da Mabrian.

Por outro lado, os países do Sul da Europa e do Mediterrâneo aumentaram todos os seus preços, destacando-se o caso de Portugal, que é atualmente o país com os preços mais caros, seguido de Espanha, Grécia, Turquia e Itália.

Na América do Norte, a Mabrian destaca que o México manteve preços mais estáveis, com poucas variações ao longo desses dois anos, enquanto o Canadá é atualmente o país com os voos mais caros, seguido dos Estados Unidos, que viram um pico de preços de voo muito elevado no último trimestre de 2022.

Na América do Sul, a Argentina é o país que tem tido os preços mais elevados nestes dois anos, mas em 2023 acabará por igualar os preços de 2021. De acordo com a análise, a Colômbia continua mais regular, enquanto Peru, Chile e Brasil tiveram preços mais altos em 2022 do que em 2021 e neste 2023 vêm caindo, mesmo permanecendo mais altos do que em 2021.

“Há também outros custos que foram afetados, como o de pessoal que após uma crise laboral em 2022 assistiu a inúmeras greves e protestos por condições, o que, sem dúvida, aumentou os custos dos voos”

Carlos Cendra

Na região do Pacífico, destaca-se a Austrália em relação a outros países com maior influxo de voos, como a Tailândia, Indonésia, Vietname e Malásia. No final de 2022, a Austrália registou um aumento acentuado nos preços, atingindo um pico, enquanto os restantes países acompanharam a tendência de subida, embora de forma menos acentuada.

Na Ásia, os preços têm vindo a evoluir desde 2021, e nenhum dos países mais visitados (Coreia do Sul, Taiwan, China, Japão e Índia) conseguiu recuperar os preços para os níveis dos primeiros meses do pós-pandemia. O caso da Índia destaca-se, uma vez que mais de 80% dos assentos no mercado nacional, dos quais cerca de 70% estão nas mãos de companhias aéreas de baixo custo, têm mantido os preços dos voos “bastante estáveis, tornando difícil para as companhias aéreas implementar aumentos significativos nos preços”, sublinha o estudo.

No Médio Oriente, destaca-se a tendência ascendente dos preços, especialmente no caso do Qatar, que registou picos significativos no final de 2022, coincidindo com o Campeonato do Mundo. Por outro lado, a Arábia Saudita experimentou um aumento acentuado no início de 2022, com os preços a estabilizarem num patamar inferior desde então, sem, contudo, atingir os valores de 2021.

Em África, os principais países analisados por número de voos foram o Quénia, o Egipto, Marrocos, a Tunísia e a África do Sul, onde se observaram aumentos significativos no caso do Quénia e do Egipto, e uma ligeira descida do preço dos voos no caso da África do Sul.

De acordo com Carlos Cendra, diretor de Marketing da Mabrian, os aumentos de preços podem ser explicados por diversos fatores, incluindo o impacto substancial do aumento dos custos na indústria da aviação ao longo dos últimos anos, “que foi transferido para os preços, bem como o efeito inevitável da inflação. De acordo com Cendra, o fator central parece ser o aumento nos preços do petróleo ao longo de diversos períodos, bem como as adaptações forçadas das operações que muitas companhias aéreas, especialmente as mais estabelecidas, tiveram que enfrentar durante a pandemia. “A estagnação radical dos voos devido à crise sanitária levou a uma reestruturação da estratégia de compra de combustível a longo prazo, que mais tarde, quando as operações foram reativadas, foi afetada pelo conflito entre a Rússia e a Ucrânia e pelo aumento dos preços do petróleo. Não é de surpreender que a compra de combustível represente entre 15% e 35% dos custos operacionais das companhias aéreas”, enfatiza.

“Há também outros custos que foram afetados, como o de pessoal, que após uma crise laboral em 2022 assistiu a inúmeras greves e protestos por condições, o que, sem dúvida, aumentou os custos”, acrescenta.

Sobre a razão pela qual estes aumentos afetaram mais as companhias antigas do que as de baixo custo, Cendra comenta que “a estrutura de custos fixos suportada por estes dois modelos de negócio é diferente, mas as políticas comerciais também o são e não podemos negar que existe uma procura muito forte que está a permitir às companhias recuperar os lucros perdidos de anos anteriores”.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img