Segunda-feira, Julho 26, 2021
Segunda-feira, Julho 26, 2021

SIGA-NOS:

Reino Unido vai adiar levantamento das restrições por mais um mês

O Governo britânico tomou a decisão de adiar o levantamento das medidas restritivas no domingo e espera-se que o primeiro-ministro, Boris Johnson, aprove a resolução esta segunda-feira, dia 14, depois de participar na cimeira da NATO, em Bruxelas.

Esta decisão será votada pela Câmara dos Comuns (câmara baixa do Parlamento britânico) ainda este mês com o objetivo de legalizar o adiamento.

De acordo com o plano de desconfinamento, todas as restrições seriam levantadas em Inglaterra no dia 21 de junho, o que iria permitir o funcionamento de discotecas e a realização de casamentos e outros eventos sem um limite máximo de pessoas.

O adiamento é apoiado por vários cientistas devido ao rápido contágio da variante Delta da covid-19, detetada pela primeira vez na Índia e que se tornou a variante dominante no Reino Unido.

Por outro lado, a Associação das Indústrias Noturnas advertiu que o atraso do levantamento das restrições será “catastrófico” para as discotecas e bares noturnos, que estão fechados desde março do ano passado.

Alguns deputados conservadores também se opuseram ao atraso pois consideram que a população de maior risco já está vacinada com as duas doses da vacina.

Expetativas turísticas para verão arrefecem com decisão do Governo britânico

A confederação do turismo e a Associação da Hotelaria de Portugal reviram as expectativas de crescimento turístico com a saída de Portugal da “lista verde” de viagens para o Reino Unido, acreditando, no entanto, num verão melhor que em 2020.

“Nesta fase, é difícil fazer previsões. Estávamos com alguma expectativa positiva, mas a decisão do Governo britânico de retirar Portugal da ‘lista verde’ veio alterar todas as perspetivas que tínhamos para o verão”, afirma o presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), Francisco Calheiros, em respostas escritas à Lusa.

A decisão britânica de excluir Portugal da “lista verde” de viagens foi tomada em 03 de junho e suscitou, desde logo, críticas do setor turístico, que se preparava para um aumento das reservas e da procura de turistas provenientes do Reino Unido, isto depois de, em 17 de maio, o Governo britânico ter tomado a decisão contrária, abrindo as viagens com destino a Portugal.

Agora, “a recuperação que se iniciou nas últimas semanas com a chegada dos turistas ingleses, o nosso principal mercado, foi abruptamente interrompida durante, pelo menos, três semanas. O impacto nas reservas, sobretudo no Algarve, será gigantesco, numa fase em que as empresas se preparavam para um aumento da procura turística com reforço da oferta e de recursos humanos”, explica Francisco Calheiros.

Ainda assim, o responsável, que não revela valores, refere acreditar que Portugal “irá ter um verão melhor do que 2020”, mas com os números a ficarem “ainda muito longe dos de 2019”.

Com uma visão diferente, após a decisão britânica, ficou também a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), como explicou a vice-presidente executiva, Cristina Siza Vieira, à Lusa, sem também apontar números.

“O mês de maio correu razoavelmente bem em termos de taxa de ocupação, em algumas regiões do país, aliás acima das expectativas, dada a incerteza em que estivemos, exceção de Lisboa, Porto e Alentejo. No Algarve registou-se uma afluência bastante significativa durante o mês de maio, sobretudo de turistas britânicos, devido à abertura do Reino Unido relativamente a Portugal (recordo que estávamos na ‘lista verde’ de destinos, com o que tal significava de facilitação das viagens). Ora, com a recente decisão do Governo britânico a situação veio alterar-se profundamente, com os cancelamentos a registarem-se desde o primeiro momento e o ritmo de reservas a cair a pique”, afirma a responsável.

Ora, assim, a responsável da AHP diz que “antes desta decisão, obviamente”, estavam “mais confiantes no verão”.

“É certo que há outros mercados e a aprovação pelo Parlamento Europeu do Passaporte Covid-19 abre melhores perspetivas, quer para os turistas provenientes da UE, quer de Schengen. Esperamos, também, que Portugal aproveite já para dar idênticas condições a países terceiros, designadamente aos EUA, fundamental para nós”, acrescenta Cristina Siza Vieira, lembrando ainda que o setor volta a contar com os turistas internos.

“Para já, contamos com o mercado nacional, que já em 2020 foi o suporte do verão, e com a abertura dos mercados europeus. Sem qualquer dúvida, vontade de viajar e pesquisa por Portugal existe, mas têm de estar reunidas todas as condições para que os turistas possam viajar sem restrições de quarentena e com definição dos critérios e testagem”, concluiu.

Dias depois do anúncio do Governo britânico, em 06 de junho, o presidente do Turismo do Algarve, disse à Lusa que a saída de Portugal da “lista verde” de viagens para o Reino Unido causou um “pico” de cerca de 10.000 saídas do aeroporto de Faro no sábado, dia 05.

“Ontem [sábado] houve uma concentração de cerca de 10.000 passageiros britânicos para sair, mas é interessante também perceber que, no mesmo período, chegaram 2.500. Portanto, apesar das regras britânicas, ainda há britânicos a chegar ao Algarve”, afirmou João Fernandes à agência Lusa.

João Fernandes explicou que os passageiros, “muitos deles britânicos”, se viram obrigados a “antecipar o regresso para chegar ao país antes de terça-feira [dia 08]” e escapar assim à obrigatoriedade de realizar uma quarentena de 10 dias e dois testes à covid-19 nesse período devido à medida imposta pelo Governo britânico a todos os passageiros que cheguem ao Reino Unido provenientes de Portugal.

0
-PUB-

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img