Segunda-feira, Maio 20, 2024
Segunda-feira, Maio 20, 2024

SIGA-NOS:

Ryanair, Lufthansa e British Airways lideram lista das companhias aéreas mais poluentes da Europa

No ano passado, registou-se um total de mais de 6,7 milhões de partidas de voos em aeroportos europeus, resultando numa emissão global de 164,5 milhões de toneladas de CO2. Este valor representa um aumento de mais de 13% nas emissões em comparação com 2019, conforme indicado num relatório divulgado pela Transport & Environment (T&E). Pela terceira vez consecutiva, a Ryanair é identificada como a companhia aérea mais poluente.

O crescimento dessas emissões está fortemente ligado à crescente participação de mercado das companhias aéreas de baixo custo na Europa. Segundo o relatório, em 2023, uma em cada quatro partidas de voos na Europa foi operada por uma das três principais companhias aéreas de baixo custo (easyJet, Ryanair, Wizz Air), em comparação com uma em cada cinco em 2019.

Em 2023, a Ryanair viu um aumento significativo nas suas emissões em relação a 2019 (+23,0%). A Wizz Air também registou um aumento considerável nas emissões em comparação com 2019 (+39,7%), com um aumento anual adicional significativo (+22,6% em relação a 2022). Por outro lado, as companhias aéreas comerciais tradicionais, como a Lufthansa ou a British Airways, também estão no topo da classificação, mas com reduções significativas nas emissões em comparação com 2019.

No nono lugar do ranking está a Iberia, que se destaca como a empresa que menos polui entre as principais companhias aéreas da Europa em 2023, registando uma diminuição de 8,4% nas emissões em relação a 2019. Além da Wizz Air, outro destaque de aumento significativo é a United Airlines (+20,8%). Os voos extra-europeus representaram 15,2% de todos os voos da Europa, mas foram responsáveis por 54,3% das emissões da aviação, uma vez que são voos de longo curso que emitem mais

As rotas mais poluentes são as de longo curso

De acordo com a análise realizada pela T&E, as cinco rotas mais poluentes em 2023 a partir dos aeroportos europeus são as rotas “extra-europeias”, ou seja, os voos de longo curso fora da União Europeia, incluindo Londres-Dubai; Londres-Nova Iorque (JFK); Londres-Singapura; Londres-Los Angeles; e Frankfurt-Shanghai.

A T&E destaca que essas rotas não estão sujeitas a um mercado de carbono (europeu, suíço ou britânico), o que significa que as companhias aéreas que operam esses voos “não pagam pelas suas emissões de carbono. Por exemplo, nenhuma companhia aérea foi obrigada a pagar pelo carbono emitido na rota mais poluente da Europa (Londres-Dubai), que foi responsável por 2,3 milhões de toneladas de CO2 em 2023”.

Imposto sobre o Querosene?

Embora a T&E advogue a implementação de um imposto sobre o querosene para “acabar com a injustiça climática e social que permite que o querosene continue a ser um dos únicos combustíveis não tributados na Europa”, outras vozes se opõem a essa medida, assim como à proibição de voos curtos.

Recentemente, o presidente da Associação de Companhias Aéreas (ALA), Javier Gándara, afirmou que este imposto não contribui para a descarbonização e “seria um desastre” nos casos de Espanha, Portugal ou Grécia. Em vez disso, o responsável aposta na aprovação do Céu Único Europeu – que permite trajetos mais diretos e, portanto, mais eficientes -, incentivar a produção de combustível de aviação sustentável (SAF) e promover a intermodalidade no transporte para contribuir para essa descarbonização na aviação.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img