Terça-feira, Junho 15, 2021
Terça-feira, Junho 15, 2021

SIGA-NOS:

CEO’s de grandes cadeias hoteleiras afirmam que a recuperação da procura pode chegar antes do esperado

Embora 2020 tenha sido o ano mais desafiador para o setor hoteleiro, os CEOs das principais marcas de hotéis concordam que já há uma luz ao fundo do túnel para uma retoma que pode surgir mais rapidamente do que os especialistas esperariam.

A 43ª edição da conferência anual NYU International Hospitality Industry Investment, realizada virtualmente no passado dia 7 de junho, juntou CEO’s das principais cadeias internacionais (Hilton, Hyatt, Marriott, Accor, IHG e BWH), no painel “Where Are We, Where Are We Going, and When Will We Get There?”

O presidente e CEO da Hilton, Chris Nassetta, aconselhou os jovens hoteleiros a “manter a fé”. “A idade de ouro das viagens vai voltar”, disse. “É uma indústria muito grande e tornar-se-á mais uma vez uma das indústrias de crescimento mais rápido no mundo. Há oportunidades imensas e diversificadas, e há uma grande oportunidade de ter um impacto positivo no mundo nesta indústria. Nada disso mudou. Apenas tivemos um ano difícil”, afirmou, citado pela Hotel News Now.

Os CEOs concordaram que 2023 continua a ser o ano mais provável para os indicadores de desempenho dos hotéis retornarem aos níveis pré-pandémicos, embora a procura de lazer tenha voltado com força total com o lançamento das vacinas COVID-19 e à medida que os viajantes se sentem mais confortáveis.

David Kong, presidente e CEO do BWH Hotel Group, disse que espera que a sua empresa supere a projeção para 2023 “porque somos muito fortes no segmento de lazer”.

“Tem havido uma procura reprimida e acabamos de testemunhar o desencadeamento dessa procura reprimida poderosa no fim de semana do Memorial Day”, disse ele. “Tivemos um recorde histórico em [receita por quarto disponível]. Isso é muito encorajador.”

Mas, embora reine o otimismo, a pandemia ainda não é uma coisa do passado, advertiu o CEO da Marriott International, Tony Capuano.

“Temos visibilidade em tempo real dos dados de reserva e, quando assistimos a um aumento nas infeções em um determinado mercado, ou vê a confiança do consumidor a ser um pouco abalada pelo surgimento de uma determinada variante, assistimos quase imediatamente o impacto nos negócios”, afirmou. “Portanto, continuamos cautelosamente otimistas. Mas penso que também temos que estar vigilantes porque ainda não estamos fora de perigo em termos de pandemia.”

Sébastien Bazin, presidente e CEO da Accor, disse que a falta de visibilidade sobre o desempenho futuro também continua sendo um grande desafio para a indústria.

“50% por cento das minhas reservas têm menos de quatro dias de antecedência”, disse. “E não posso afirmar o quanto vai variar de uma semana para outra.”

Bazin observou que o ambiente de viagens continua difícil e desarticulado em toda a Europa, mas espera uma forte recuperação depois do continente reabrir as fronteiras aos EUA e a viagens dentro dos países da União Europeia.

Keith Barr, CEO da IHG Hotels & Resorts, disse que a sua empresa e outras podem olhar para a China para ter boa ideia de como será a recuperação da hotelaria.

“O que me dá confiança são mercados como a China, e acho que, coletivamente, estamos todos de volta ao normal na China, especialmente nas cidades de nível dois a quatro”, disse ele. “Os que estão ligeiramente prejudicados são os de nível superior, como Shangai, Pequim e Hong Kong, porque exigem muito mais viagens internacionais. À medida que as fronteiras se reabrem, as viagens aéreas voltam a subir. “

Mão de obra será um desafio

Os CEOs do painel concordaram que um aumento na procura por hotéis é inevitável neste verão, mas muitos não tinham certeza se conseguiriam a mão de obra necessária para responder a essa procura. Existindo escassez de mão de obra, a contratação também ficou mais cara.

“Os salários já subiram tremendamente e espero que isso continue”, disse o presidente e CEO do BWH Hotel Group. “No ano passado, antes da pandemia, a mão de obra era um desafio. No momento, é uma crise – uma crise tremenda não apenas para nossa indústria, mas para muitas, muitas outras indústrias.”

“Temos empresas como a Amazon construindo grandes fábricas e outras indústrias que estão a expandir-se”, disse David Kong. “Isso é um bom presságio para o segmento empresarial, mas também tira empregos da indústria hoteleira.”

+1
-PUB-

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img

Mais lidas