Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024
Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024

SIGA-NOS:

Cresce a frustração entre os viajantes devido às restrições de viagem, revela estudo

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) revela que os viajantes estão cada vez mais frustrados com as restrições de viagem da covid-19. Uma pesquisa encomendada pela IATA com 4.700 entrevistados em 11 mercados em setembro demonstra a confiança de que os riscos da covid-19 podem ser geridos com eficácia e que a liberdade de viajar deve ser restaurada o mais rápido possível.

Dos entrevistados que participaram na pesquisa, 67 por cento acredita que a maioria das fronteiras deve ser aberta já e outros 64 por cento considera que o fecho das fronteiras é desnecessário, uma vez que não foi eficaz na contenção do vírus.

Além disso, 73 por cento dos entrevistados disse que, devido às restrições de viagem do COVID-19, sua qualidade de vida piorou.

“As pessoas estão cada vez mais frustradas com as restrições de viagem da covid-19 e ainda mais pessoas têm visto a sua qualidade de vida diminuir. Não veem a necessidade de restrições de viagens para controlar o vírus. Perderam muitos momentos familiares, oportunidades de desenvolvimento pessoal e prioridades de negócios. Em suma, sentem falta da liberdade de voar e querem que seja restaurada. A mensagem que estão a enviar aos governos é: a covid-19 não vai desaparecer, por isso devemos estabelecer uma forma de administrar os seus riscos enquanto vivemos e viajamos normalmente ”, disse Willie Walsh, diretor geral da IATA.

Cresce o apoio para substituir quarentena por testes e vacinação

De acordo com a IATA, a principal barreira às viagens aéreas continua a ser a quarentena. De todos os participantes, 84 por cento indica que não viajariam se o seu país de destino tivesse medidas de quarentena. Além disso, um número crescente de entrevistados apoia a remoção do requisito de quarentena se uma pessoa tiver um teste negativo à covid-19 e se tiver sido vacinada.

Com as taxas de vacinação aumentando em todo o mundo, 80 por cento dos participantes concorda que aqueles que foram imunizados contra o vírus deveriam poder viajar livremente de avião. No entanto, ainda existem opiniões contra tornar a vacinação obrigatória para viagens aéreas. Cerca de dois terços acreditam que é errado restringir as viagens apenas aos que foram vacinados.

Além disso, 80 por cento dos participantes acham que o teste antes da viagem aérea deve ser apenas uma alternativa para pessoas que não têm acesso à vacinação. Mesmo que 85 por cento estejam dispostos a se submeter ao teste COVID-19, se necessário, vários problemas permanecem: 75 por cento dos entrevistados indica que o custo do teste é uma barreira significativa e 80 por cento considera que o governo deve cobrir os custos dos testes

“Há uma mensagem aqui para os governos. As pessoas estão dispostas a ser testadas para viajar. Mas não gostam do custo ou da inconveniência. Ambos podem ser tratados pelos governos. A confiabilidade dos testes rápidos de antígenos é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) ”, acrescentou Walsh.

Além disso, entre aqueles que viajaram desde junho do ano passado, 87 por cento acredita que as medidas de proteção contra o coronavírus estão bem implementadas, 86 por cento sente-se seguro a bordo e 88 por cento considera que a tripulação da companhia aérea está a cumprir as regras.

Por último, existe um forte apoio em relação à máscara facial, já que 87 por cento dos entrevistados concorda que manter a máscara ajudará a prevenir a propagação do vírus.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img