Domingo, Maio 26, 2024
Domingo, Maio 26, 2024

SIGA-NOS:

PR diz que Portugal tem que “tomar partido” da localização na nova geopolítica

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu na terça-feira, dia 3 de maio, que Portugal tem que “tomar partido” das “vantagens comparativas” da sua localização geográfica e da geopolítica “que está a nascer agora”, com a guerra na Ucrânia.

“Para o turismo, não é indiferente o facto de a nossa localização geográfica ser mais distante do que outras sociedades, economias e países, que estão mais próximos daquilo que aos olhos dos turistas aparece como sendo o centro do conflito”, disse, numa referência à guerra na Ucrânia.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, “para quem opta, em termos de turismo, faz diferença ser muito próximo daquilo que consideram ser o centro do conflito ou mais longe”, salientando a “sociedade estável, segura, comparando com os índices de estabilidade politica e segurança de outras”, de que Portugal usufrui.

“De facto temos vantagens comparativas e temos que tomar partido delas”, defendeu, em declarações aos jornalistas, no Porto, onde esteve para a apresentação estudo “Do pré ao pós pandemia: os novos desafios” e lançamento do Congresso “Portugal Empresarial”, promovidos pela AEP – Associação Empresarial de Portugal.

Alguns minutos antes, a discursar, o Presidente da República já tinha destacado a localização de Portugal na Europa e as vantagens dessa localização.

“Portugal tem uma ocasião singular favorável na localização geográfica e na geopolítica que está a nascer agora”, começou.

“Na Europa unida, e unida aos Estados Unidos da América, e durante uma guerra em que nós estamos na Europa, para efeitos de turismo e para outros, numa situação de estabilidade política e de possível aproveitamento das virtualidades da nova geopolítica no atlântico norte, atlântico sul, pontes europeias transatlânticas, fornecimentos energéticos, dependências energéticas que objetivamente são favorecidas por opções anteriores e fatores objetivos”, contextualizou.

Também no seu discurso, o chefe de Estado falou sobre o processo de descentralização, referindo que gostava que este estivesse terminado até ao final de 2022.

“O processo em si mesmo descentralizador, em geral, uma vez que começou e tem vindo a processar-se ao longo de vários anos, com adiamentos consecutivos, que chegue o momento em que verdadeiramente se concluiu esse processo. Espero que seja até ao final de 2022”, reforçou, depois aos jornalistas.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img