Sábado, Maio 28, 2022
Sábado, Maio 28, 2022

SIGA-NOS:

Procura de viagens para a Europa fragmentada mas em recuperação, releva estudo da ETC

A pandemia covid-19 afetou partes da Europa de forma diferente, com mais ou menos intensidade. Os diversos segmentos de hotéis europeus foram particularmente afetados pela pandemia. As regulamentações governamentais estão entre os maiores obstáculos à melhoria do mercado, revela um artigo da CoStar.

Eduardo Santander, CEO e diretor executivo da European Travel Commission, uma organização sem fins lucrativos criada em 1948, composta por representantes de escritórios nacionais de turismo europeus e parcialmente financiada pela Comissão Europeia, forneceu algumas estatísticas do terceiro trimestre de 2021 que destacam a indústria hoteleira na Europa.

As conclusões da ETC enfatizam as oportunidades, desafios e muitas vezes a natureza díspar do continente, visto que os seus inúmeros governos reagem de forma diferente à pandemia.

Parece que os hotéis europeus estão a recuperar mais ocupação, disse Santander. O interesse do consumidor em ficar em hotéis ou resorts aumentou 13% (o nível mais alto desde setembro de 2020) e 25% dos entrevistados expressaram preferência por hotéis independentes. Em todo o continente, a Europa relatou um aumento de 10,5% na ocupação hoteleira no segundo trimestre de 2021.

A popularidade dos alugueres de curto prazo também não está a diminuir, sublinha Santander. “As reservas de curto prazo na Europa recuperaram para [apenas] 33% dos níveis de 2019 ao longo de 2021, e ficam agora atrás da América do Norte – ficando em segundo lugar em termos de recuperação da região mundial”, remata.

Tendências de viagens

Aproximadamente dois terços dos europeus entrevistados, ​​no estudo ETC, planeavam viajar para o país ou para o exterior no quarto trimestre de 2021 ou no primeiro trimestre de 2022. No entanto, esses dados foram recolhidos no terceiro trimestre de 2021, antes do início da variante Ómicron.

Os viajantes europeus afirmar que estão mais confiantes para viajar para a Polónia (73%), Espanha (72%), Itália (68,3%), Holanda (68,2%) e Alemanha (67,5%).

“No geral, avaliando o desempenho da Europa este ano, apesar de vários destinos terem visto uma recuperação moderada nas chegadas de turistas neste verão, [mais de] 50% [dos mercados] ainda registraram quedas superiores a 74% em comparação com os volumes de 2019”, disse Santander.

Mercados em destaque

A Grécia foi a primeira nação a reabrir as fronteiras para turistas com um teste negativo à covid-19. Por esse motivo, os hotéis da Grécia tiveram a recuperação mais forte nas reservas noturnas, que ficaram apenas 19% atrás de 2019.

Outros mercados europeus relataram também chegadas substanciais de turistas, incluindo a Croácia, Montenegro, Luxemburgo e Mónaco.

“A Croácia foi capaz de estender o seu excelente desempenho fora da temporada, recebendo 1,9 milhão de turistas em setembro”, disse Santander.

Houve outros mercados europeus a saírem-se pior. A República Checa registou o declínio mais acentuado nas chegadas de turistas, de acordo com dados até junho de 2021. Santander afirma que as perspetivas de viagens da República Checa foram prejudicadas por restrições rigorosas à COVID-19, no primeiro semestre do ano.

Tal como a República Checa, a Finlândia também registou uma queda acentuada nas chegadas de turistas.

Viagens de negócios

Em 2022, a ETC espera que as viagens de negócios na Europa aumentem em 28%, defende Santander.

“As reuniões pessoais ainda devem permanecer um princípio fundamental das relações de negócios”, disse ele. “O contacto cara-a-cara continua a ser uma característica profundamente enraizada da atividade empresarial, e as reuniões pessoais – inclusive em grandes eventos – não podem ser totalmente substituídas por alternativas digitais.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img