Quarta-feira, Abril 17, 2024
Quarta-feira, Abril 17, 2024

SIGA-NOS:

Variante Delta atrasa regresso de viagens corporativas, mostra estudo da GBTA

O regresso das viagens corporativas está a ser atrasado pela disseminação da variante Covid-19 Delta, revela um estudo da Global Business Travel Association (GBTA).

O estudo revelou um aumento das preocupações entre viajantes corporativos, compradores e fornecedores, especialmente na América do Norte, com a diretora executiva Suzanne Neufang a sugerir que a variante Delta causou “um desvio” no processo de recuperação.

Um em cada cinco entrevistados (21%) relatou que a sua empresa introduziu novas restrições para viagens de negócios, devido à variante Delta, e um em cada quatro (25%) estava a considerar novas restrições.

Quase metade (49%) considerou as novas restrições improváveis, variando entre 66% na Europa e 45% na América do Norte. No entanto, 85% dos entrevistados mostraram-se “preocupados” ou “muito preocupados” com o impacto da receita da variante Delta e 78% com as implicações para a segurança das viagens de negócios. Simultaneamente, 88% achou que a variante Delta teria um impacto negativo e 41% “muito negativo”.

Oito em cada 10 entrevistados (81%) que trabalham para empresas que ainda não retomaram as viagens de negócios não essenciais afirmaram que sua empresa provavelmente atrasaria a retoma devido à variante. No entanto, 72% dos compradores de viagens sentiram que os funcionários ainda estavam “dispostos” ou “muito dispostos” a viajar por motivos de negócios, em comparação aos 77% de julho.

Três em cada cinco (60%) relataram que as viagens domésticas de negócios foram permitidas pelo menos “às vezes” nos últimos 30 dias.

Mais da metade (55%) esperava um aumento nas viagens corporativas neste outono, 47% um aumento “moderado” e 8% “significativo”. 75% dos entrevistados na Europa esperavam um aumento. Mesmo assim, 78% ainda não haviam retomado as viagens internacionais, em comparação com os 86% em julho, e 41% não haviam retomado as viagens domésticas, em comparação com 50% de julho.

Suzanne Neufang constatou que as viagens corporativas “continuam a mostrar pequenos ganhos no caminho para a recuperação”, mas a pandemia “não está a passar tão rápido quanto o esperado”.

Um em cada cinco entrevistados relatou que sua empresa exigia que os funcionários estivessem totalmente vacinados para viajar para o país (21%), atender clientes (22%), trabalhar no escritório (20%) ou comparecer a reuniões ou eventos (22%).

Um em cada quatro não tinha certeza sobre os requisitos de vacinas para viagens da sua empresa e quase metade disse que os requisitos de vacinas normalmente não eram exigidos, aumentando para dois terços (66%) na Europa.

Apenas um terço (34%) dos fornecedores e entrevistados da TMC estavam otimistas sobre as perspectivas financeiras do setor, com um em cada quatro (26%) a mostrar-se pessimista.

O GBTA conduziu a pesquisa de 9 a 19 de agosto, recebendo 678 respostas.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img
-PUB-spot_img