Quinta-feira, Dezembro 1, 2022
Quinta-feira, Dezembro 1, 2022

SIGA-NOS:

Inclusão da Madeira na ‘lista verde’ britânica é “decisão justa”, diz Governo Regional

O Governo da Madeira considera que o anúncio da reentrada da região na ‘lista verde’ do Reino Unido é “uma decisão justa”, que resulta de uma “luta árdua” de divulgação da segurança deste destino turístico.

“A Madeira está na ‘lista verde’ do Reino Unido. Foi conseguida a descriminação positiva que se desejava”, refere o secretário regional do Turismo e Cultura da Madeira, Eduardo Jesus, em comunicado enviado esta quinta-feira, após o anúncio da inclusão da Madeira nesta lista.

Segundo Eduardo Jesus, esta foi “uma decisão ajustada à realidade regional e vem reconhecer todo o trabalho em curso na afirmação da segurança do destino”.

Para o responsável, “este anúncio do governo britânico em relação à Madeira vem colocar justiça naquilo que o Governo Regional entende que deveria ser tido em conta desde o princípio”.

Na nota, o responsável salienta que é o resultado “de uma luta árdua, um trabalho intenso, de dedicação permanente por parte do Governo Regional”.

“Estamos por isso ansiosos para que a operação britânica seja retomada e com a força que tínhamos previsto”, acrescenta.

O secretário madeirense recorda que foram realizadas 15 diligências junto do Governo britânico e português, dos responsáveis da saúde, embaixadores no Reino Unido e em Portugal, solicitando “a integração da região na lista de países e territórios considerados seguros do Reino Unido”, no âmbito da pandemia de covid-19.

“Neste processo, houve também o cuidado de atualizar os operadores britânicos da situação epidemiológica nas ilhas da Madeira e do Porto Santo, os quais foram também informados dos pedidos de intervenção do executivo Regional, com vista à correção da decisão do governo britânico”, lê-se na nota.

Ainda de acordo com Eduardo Jesus, “a Madeira já tinha e continua a ter todas as condições para ser considerada na ‘lista verde’”, salientando que se afirmou como destino seguro “desde a operação de triagem no aeroporto, ao processo de vacinação” contra a covid-19, que incluiu todos os profissionais do setor do Turismo, além da oferta dos testes, entre tantas outras medidas.

“Tudo isso constituiu a aposta determinada por parte da Região Autónoma da Madeira”, sublinha.

O responsável realça também o facto de a região registar “um número reduzido de infetados e de casos diário”, além do índice de transmissão (Rt) ser “o mais baixo do país”.

Eduardo Jesus argumenta igualmente que um dos fatores de maior importância que influenciou esta decisão do Governo britânico pode estar relacionada com o facto de a ligação da Madeira àquele país ser assegurada “na sua maioria por voos diretos, o que significa que não há a situação de contaminação em escalas que poderiam ser feitas em outros aeroportos”.

“Os cidadãos britânicos chegam à Madeira sem efetuar qualquer outra paragem”, refere, acrescentando que isso garante “a segurança no destino” aos passageiros.

DEIXE A SUA OPINIÃO

Por favor insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui

-PUB-spot_img